Início NOTÍCIAS Estudo revela perfil de agressores de animais no Rio Grande do Sul

Estudo revela perfil de agressores de animais no Rio Grande do Sul

278
0

Por Mariana Dandara

Um estudo feito pela médica veterinária Gisele Kronhardt Scheffer, durante sua graduação em Direito na Faculdade Estácio, traçou o perfil dos agressores de animais no Rio Grande do Sul.

Homens entre 20 e 40 anos lideram a lista dos principais responsáveis por casos de abandono e violência contra animais. Scheffer analisou as características e motivações dos crimes praticados, entrevistando 380 pessoas entre médicos veterinários, protetores de animais e ONGs.

Foto: Pixabay

De acordo com o estudo, os cachorros são as principais vítimas do abandono, sendo atendidos por 88% dos veterinários, enquanto os gatos e outras espécies correspondem a menos de 7%. Os motivos que levaram os tutores a praticar o cruel e injustificável abandono são, entre outros: doenças, ferimentos, velhice, gravidez, comportamento indesejado, deficiência, cadela explorada para reprodução e venda sendo descartada, compra por impulso e até perda de interesse.

Em relação aos maus-tratos, 56,3% dos entrevistados socorreu animais que têm lar, enquanto 37,7% prestou atendimento a animais em situação de rua. As informações são do Jornal do Comércio.

A pesquisa investigou também qual é a violência mais praticada por cada gênero. No caso dos homens, 63,3% deles cometeram espancamento, outros 62,8% privaram o animal de atendimento veterinário e 49,3% acumularam animais, privando-os de bem-estar.

As violências mais frequentes praticadas por mulheres contra animais, segundo o estudo, foram: acumulação, com 64,2%, seguida de privação de atendimento veterinário, com 61,9% e privação de água e alimento, com 41%. A pesquisa reconheceu 75% dos perfis como gênero masculino e 25% como feminino.

De acordo com o levantamento, a maior causa de agressões foi “negligência ou ignorância em relação ao bem-estar do animal”, com 69,6%. “O animal foi desobediente” teve um percentual de 28% no que se refere às motivações dos maus-tratos. Outras razões identificadas pelo estudo foram: “o animal mordeu ou ameaçou morder o autor ou um familiar” (20,1%), “o animal pertencia a um desafeto do autor” (19,1%), “surto de embriaguez/drogadição do autor” (16,2%) “briga em família, com agressão a pessoas e ao animal” (13,7%), dentre outras.

Crime

Maltratar animais é crime previsto na Lei de Crimes Ambientais e tem como punição até um ano de detenção, além de multa. A pena pode ser aumentada em caso de morte do animal.

Fonte: anda.jor.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui