Início NOTÍCIAS Ex-soldado do Exército aprende a pilotar avião para salvar animais que seriam...

Ex-soldado do Exército aprende a pilotar avião para salvar animais que seriam sacrificados

310
0

Por Mariana Dandara

Ex-soldado veterano do Exército dos Estados Unidos, Paul Steklenski, de 45 anos, decidiu aprender a pilotar avião para viagem pelo mundo salvando cachorros e gatos que seriam sacrificados. Em muitos países, tirar a vida de animais saudáveis como forma de controle populacional ainda é uma prática permitida.

Foto: Reprodução/CNN

Ao lado de Tessa, uma cadela que acompanha Steklenski nas viagens, o ex-soldado já salvou 742 animais. As informações são da CNN.

Inicialmente, Steklenski pensou em resgatar os cães e gatos usando um ônibus ou uma van.  No entanto, em 2013 decidiu iniciar os estudos em uma academia de pilotos. Após se formar, ele passou a usar um avião para salvar a vida dos animais.

Dois anos depois, o ex-soldado fundou a ONG “Flying Fur Animal Rescue”. Na época, ele também deixou de alugar aviões e comprou um especificamente para os resgates. A aeronave transporta até 23 animais por vez, mas Steklenski sonha mais alto e planeja, no futuro, comprar outro avião ainda maior.

“Ver os cães nos canis partia-me o coração. Era horrível pensar que havia tantos animais a sendo sacrificados”, afirmou o ex-soldado.

Steklenski gasta de 340 a 515 euros (R$ 1400-2200) por cada operação de resgate. Apesar de pedir doações, o piloto investe, do próprio bolso, mais de 8,5 mil euros por ano no projeto.

Além do auxílio que presta aos animais que resgata, Steklenski adotou, há um ano, sua segunda cadela, Layla. Desde então, ele tira um dia por mês para voar até canis e resgatar alguns cães e gatos, que depois são entregues a abrigos que não fazem sacrifício.

“É um trabalho extremamente emocional, mas muito recompensante”, disse. “Quando o motor começa a trabalhar, eles adormecem ou ficam acordados olhando pela janela. Tenho a sensação de que eles sabem que coisas melhores lhes vão acontecer”, completou.

Fonte: anda.jor.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui