Início NOTÍCIAS Cãozinho leal se recusa a deixar o leito de morte do tutor

Cãozinho leal se recusa a deixar o leito de morte do tutor

133
0

Clicar sobre a imagem para editar ou atualizar.

Remover imagem destacada

Foto: Alexis Nazarino

Benny foi resgatado após a passagem do furacão Harvey e adotado por sua família em Washington, nos Estados Unidos, há cerca de um ano e meio. Desde o momento em que chegou em sua nova casa, ele e seu tutor, Scott Ballenger, se tornaram os melhores amigos e faziam absolutamente tudo juntos.

“Benny era desconfiado e arisco perto de estranhos e não conhecemos seu passado, mas ele amava meu pai e ouvia seu carro chegar antes mesmo de minha mãe quando ele voltava do trabalho”, disse Alexis Nazarino, filha de Ballenger, ao The Dodo.

Apesar do medo de outras pessoas, Benny nunca sentiu nada além de amor e confiança por seu tutor, e Ballenger e sua namorada faziam questão de levar o cachorrinho para todos os lugares com eles. Ballenger não poderia ter amado mais Benny, e Benny sempre retribuía esse amor na mesma medida.

Em 29 de agosto, Ballenger foi internado no hospital em estado grave e Benny, é claro, ficou confuso. Sua família o levou ao hospital para que ele pudesse estar com seu tutor e amigo, porque era sempre exatamente onde Benny queria estar: ao lado de seu guardião.

“Benny cheirava a cabeça e o rosto, mas não tinha muita certeza do que estava acontecendo”, disse Nazarino. “Ele sentava com Ballenger por alguns minutos cheirando aqui e ali”.

Em algum momento, porém, algo mudou. Era como se Benny soubesse o quão doente Ballenger estava e o quanto ele precisava dele – e de repente o cachorrinho se recusou a sair do lado de seu tutor.

Ele sentou-se ao lado dele o dia todo, aconchegou-se o mais perto que pode, deitando a cabeça suavemente no braço do amigo querido.

No dia seguinte, Ballenger faleceu.

Depois de todo o tempo que ele passou com o tutor durante o ano e meio que passaram juntos, Benny de alguma forma sabia que aquele era seu último dia, e ele queria estar lá o tempo todo.

“Amor verdadeiro”, disse Nazarino.

Desde que seu tutor querido faleceu, Benny levou muito a sério sua ausência. Ele continua tentando procurar Ballenger durante o dia e chora por ele à noite. Sua mãe e o resto da família de Ballenger estiveram lá por ele a cada passo, dando-lhe infinitos abraços e carinho. Juntos, eles sabem que podem superar isso.

Benny sempre sentirá falta do guardião, mas todos da família estão felizes por ele ter podido estar no hospital no último dia do tutor, deitado ao seu lado e lembrando-o do quanto ele o amava.

Fonte: anda.jor.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui