Início DESTAQUES Três homens mataram 22 cães e deixaram 40 feridos, depois de os...

Três homens mataram 22 cães e deixaram 40 feridos, depois de os torturarem com lixívia e pregos

7
0

Clicar sobre a imagem para editar ou atualizar.

Remover imagem destacada

Três homens invadiram o abrigo de animais Le Refuge Terrabella, na ilha de Djerba, na Tunísia, e mataram 22 cães, deixando outros 40 feridos, depois de os atacarem e torturarem durante a noite de 23 de junho. A proprietária do local é Tiziana Gamannossi, que fotografou o resultado do massacre.

A ONG de defesa dos animais Rescue Animals North Africa (RANA), que salvou os 40 cães que ficaram vivos, relatou que o grupo terá torturado os animais com pregos nos olhos, dando-lhes lixívia a beber e espancando-os. Os criminosos já foram detidos, mas saíram em liberdade, relata o “Daily Mail“, depois de vários locais, que apoiaram o massacre, alegarem que a mulher não vacina e esteriliza os animais, vendo este ataque como uma forma de pressão sobre as autoridades. 

“Há uma falta de educação generalizada, veem os animais como vermes, ratos de esgoto”, disse Florence Heath, da RANA, que considera que a legislação no que se refere à proteção e direitos dos animais é fraca.

Antes do ataque, Tiziana tinha 120 cães neste abrigo. Muitos fugiram depois de uma multidão com cerca de 100 pessoas, alegadamente armadas com paus e machados, ter-se dirigido ao local, ameaçando matar os animais que restavam, depois de voluntários terem chegado para ajudar.

A MAGG é uma revista digital pensada para mulheres e focada nas preocupações centrais da vida de cada uma. Falamos de tudo o que está a acontecer de forma descontraída mas rigorosa.

“Vieram voluntários de Tunis ara ajudar os cães que restaram, portanto os locais pensaram ‘vamos mostrar-lhes que falamos a sério’”, explicou Florence Heath.

Um tunisiano explicou ao “MailOnline” que os animais não foram esterilizados e que foram deixados à sua própria sorte na praia para onde Tiziana Gamannossi os terá atraído. “Os problemas com os cães existem há, pelo menos, dois anos”, disse. “[Tizana] fica com os cães, mas não tem um abrigo, não tem uma associação. Eles não estrelizam ou vacinam os cães. Os cães ficam por conta própria.”

A dona do abrigo nega toda as acusações, afirmando que os cães eram vacinados. No entanto, o proprietário de outro refúgio de animais na mesma ilha disse que os cães eram seus e que a mulher terá usado os animais para criar cachorrinhos para vender.

Por Ana Luísa Bernardino

Fonte e foto: MAGG

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui