Início NOTÍCIAS Aprovado projeto que proíbe ‘eutanásia’ em cães e gatos saudáveis no Amazonas

Aprovado projeto que proíbe ‘eutanásia’ em cães e gatos saudáveis no Amazonas

11
0

Clicar sobre a imagem para editar ou atualizar.

Remover imagem destacada

Foto: Divulgação

Projeto de lei de autoria da deputada estadual Joana Darc (PL) que revoga a eutanásia em cães e gatos saudáveis foi aprovado na Aleam, e aguarda sanção governamental. O PL nº 730/2019, suspende o parágrafo único do artigo segundo da Lei Promulgada nº 170, de 30 de agosto de 2013, que “dispõe sobre a regulamentação da reprodução e eliminação da vida de cães e gatos”.

O artigo revogado explicita que, em caso de mordedura injustificada e recolhimento, se o animal não fosse adotado em 90 dias, o mesmo poderia ser eutanasiado.  “Essa é uma vitória para causa animal. Com a nossa propositura, fica proibida qualquer forma de eutanásia de animais que estejam saudáveis. Agora não haverão mais brechas para que qualquer pessoa possa querer utilizar desse artigo da lei para fundamentar algum gesto de maldade contra  animais saudáveis”, comemorou a deputada.

De acordo com a justificativa do projeto, esse artigo incentivava até a entrega de animais considerados bravos para eutanásia. A forma correta seria a promoção da adaptação desse animal e o pedi,Jo de apoio de organizações não-governamentais, Associações e entidades da causa promovido pelo próprio centro de Zoonoses para se promover a tentativa da reinserção desse animal e não promover um prazo próprio para a eutanásia. “A forma correta seria a promoção da adaptação desse animal e o pedido de apoio de organizações Não Governamentais, Associações e entidades da causa promovido pelo próprio centro de Zoonoses para se promover a tentativa da reinserção desse animal e não promover um prazo próprio para a eutanásia”, justifica texto do PL.

A parlamentar explica que existem diversas alternativas para se cuidar de um animal que apresente problemas de temperamento. “Um animal que de repente agrediu alguém, ou está mordendo de forma injustificada, ele tem solução, ele pode ter acompanhamento, pois existem diversas alternativas e tratamentos que podem melhorar esse comportamento. Além de que muitas vezes, esse comportamento agressivo, pode estar relacionado a forma com que ele está sendo criado, e esse animal não pode se penalizado com a eutanásia”’ reforçou a parlamentar.

O projeto foi aprovado no dia 02 de setembro e aguarda sanção governamental.

Por Adriano Santos

Fonte: Portal Politizei (texto e informações da Assessoria de Comunicação – Deputada Joana Darc)

Nota do Olhar Animal: Na realidade, o que o projeto de lei proíbe não é a “eutanásia” e sim o EXTERMÍNIO de cães e gatos para controle populacional, ação promovida comumente pelas prefeituras, tecnicamente equivocada e eticamente indefensável, e que é bem diferente da eutanásia. A eutanásia é um ato de caráter misericordioso e que deve atender aos interesses de quem o sofre, e não aos interesses de quem o pratica. Só pode ser chamado de “eutanásia” o ato de abreviar a vida de um animal com doença incurável e em estado irreversível de sofrimento. Portanto, não cabe a definição de eutanásia quando a morte é causada a animais saudáveis. Os órgãos públicos de saúde disseminaram o entendimento errado do termo “eutanásia” a fim de tentar minimizar a IMORALIDADE de suas ações de extermínio. Infelizmente, até mesmo protetores usam erradamente esta terminologia.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui