Início NOTÍCIAS Cadela de líder indígena é socorrida após aparecer com queimadura em aldeia

Cadela de líder indígena é socorrida após aparecer com queimadura em aldeia

12
0

Mariana Dandara | Redação ANDA

A cadela Pitchula, tutelada pelo líder indígena Xamoi Nino, foi resgatada na aldeia Tekoa Yrexakã, no distrito de Marsilac, em São Paulo, após aparecer com uma queimadura grave no corpo. O resgate foi realizado pelo Coletivo Brigada Autônoma Urutau em parceria com a Agência de Notícias de Direitos Animais (ANDA).

A cadela, que tem cerca de dois anos, vive livre na aldeia, por onde transita com outros cães que também moram no local. Após um de seus passeios, Pitchula voltou machucada. O brigadista e analista de sistemas da ANDA, Alex Fichler, que socorreu a cadela, contou que o resgate foi realizado a pedido do Coletivo Urbano em Apoio aos Povos Indígenas (CUAPI).

“O CUAPI solicitou o nosso apoio porque teria que ser feito contenção e possíveis primeiros atendimentos no local e eu fui para fazer isso”, relatou o ativista em entrevista à ANDA. Segundo ele, Pitchula apareceu ferida na última sexta-feira (8) e foi resgatada na madrugada de sábado (9).

Após receber os primeiros socorros, a cadela foi encaminhada para a clínica veterinária da ONG SOS Cidadania Animal, em São Caetano do Sul, na Grande São Paulo. “Fiz o curativo e a limpeza do machucado no local e a gente a levou para o veterinário. Foi dado remédio para dor, feita a troca do curativo e depois retornamos para a terra indígena. Quando chegamos, saímos do carro e ela pulou, mais animada, foi lamber o tutor e cumprimentar os outros cães. Bem diferente de antes, quando estava deitada no chão, com o machucado sujo”, contou.

Na clínica veterinária, a equipe de resgate foi informada que Pitchula teria sofrido uma queimadura, provavelmente por óleo quente. “Vítima da maldade humana”, reforçou Alex. O ativista passou orientações aos indígenas sobre o tratamento da cadela, que deverá receber cuidados a cada 8 horas.

“Logo ela estará recuperada”, afirmou o brigadista, que fez questão de agradecer o apoio da clínica veterinária, “que de prontidão recebeu a Pitchula e prestou todo o atendimento necessário”. Alex agradeceu ainda o suporte dado por membros do CUAPI: “Gostaria de agradecer ao Auditore De Firenza por todo apoio com transporte, a Djane Poty Reté e a Mandy Brambilla que viabilizaram a ação”.

De acordo com Alex, não é a primeira vez que um animal tutelado por indígenas aparece ferido em aldeias no estado de São Paulo. “Já tiveram mortes de cães de maneira estranha”, contou o brigadista, que revelou ainda que os indígenas estão estudando formas de proteger os cachorros.

De volta ao seu lar, Pitchula está sendo tratada com muito carinho por seu tutor. Segundo os indígenas da Tekoa Yrexakã, os animais e a natureza são extensões da vida deles e, por isso, são tratados como verdadeiros irmãos dos humanos, sendo respeitados e amados de maneira incondicional.

Coletivo Brigada Autônoma Urutau

Dedicada ao jornalismo de ação, a Agência de Notícias de Direitos Animais (ANDA) não atua apenas através das reportagens, que têm caráter informativo e educacional, mas também por meio de ações diretas.

Um dos projetos executados em parceria com a ANDA é o Coletivo Brigada Autônoma Urutau, por meio do qual brigadistas especializados em salvamentos atuam em prol de animais em situações de risco. Utilizando equipamentos profissionais de proteção individual para resgates, os socorristas executam diversos cursos para atuação em tragédias.

Nos incêndios que assolaram o Pantanal, um dos brigadistas, Alex Fischer, atuou por 30 dias no combate às chamas e no resgate a animais feridos representando a ANDA. Na ocasião, o ativista realizou o resgate de bois, bezerros e aves.

Foto: divulgação

Fonte: anda.jor.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui