Início NOTÍCIAS HOLOCAUSTO : Ativistas em defesa dos direitos animais pedem o fim da...

HOLOCAUSTO : Ativistas em defesa dos direitos animais pedem o fim da matança de jumentos

99
0

Foto: Reprodução | Polícia Civil

O Setorial de Direitos Animais do PT e a Secretaria Nacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento do PT divulgaram uma nota pedindo o fim imediato da matança de jumentos em todo o país. Em 2018, a população de jumentos no Brasil era de menos de 400 mil animais. Com o ritmo atual de matança – aproximadamente 90 mil mortes por ano –, esses animais entrarão em extinção no Brasil até o final de 2022

A coordenadora Nacional do Setorial de Direitos Animais do PT, Vanessa Negrini, e o secretário Nacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento do PT, Penildon Silva Filho, elencaram na nota fatores de alta incidência de violação dos direitos animais e forte potencial pandêmico, com ameaça à saúde humana.

Pesquisadores da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ-USP) alertam que a espécie está sob ameaça no país, pois ao contrário de animais como bois ou porcos, não há criadores de jumentos no Brasil. A gestação da jumenta é de 13 meses e ela tem um filhote por vez.

Na nota, os dirigentes apresentaram ainda sugestões imediatas e de curto e médio prazo para solução do problema, que deve envolver os Governos Federal, Estaduais e Municipais.

Confira a íntegra:

O Setorial de Direitos Animais do PT e a Secretaria Nacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento do PT vêm a público conclamar a sociedade, autoridades, Governos Federal, Estaduais e Municipais, pelo FIM IMEDIATO DA MATANÇA DE JUMENTOS EM TODO O PAÍS. Além do seu valor intrínseco, os jumentos ocupam um lugar importante na história e na cultura do Brasil. Mas o comércio da pele dessa espécie, usada para produzir o ejiao da medicina tradicional chinesa, está dizimando suas populações.

Em 2018, o rebanho de jumentos no Brasil era de menos de 400 mil animais. Com o ritmo atual de matança – aproximadamente 90 mil mortes por ano –, esses animais entrarão em extinção no Brasil até o final de 2022, pois não existe reprodução comercial de jumentos. Trata-se de uma atividade extrativista, de inexpressiva arrecadação para o Estado, alta incidência de violação de direitos animais, forte potencial pandêmico, com ameaça à saúde humana e a imagem da atividade agropecuária brasileira.

⭐O Setorial de Direitos Animais do PT e a a Secretaria Nacional de Meio Ambiente e Desenvolvimento do PT pontuam três motivos para pôr fim ao abate de jumentos no Brasil imediatamente:

1) RISCO DE NOVAS PANDEMIAS. De rastreabilidade deficiente, a atividade apresenta um alto risco de biossegurança, em especial com a propagação do mormo, zoonose que acomete equídeos e possui letalidade de 95% em humanos, e foi identificada em jumentos apreendidos. Esse fato pode inclusive ameaçar a imagem da agropecuária brasileira, pelo risco de contágio de outros animais nos abatedouros.

2) NÃO EXISTE REPRODUÇÃO COMERCIAL DE JUMENTOS NO BRASIL. A matança vem ocorrendo para atender demanda de mercado internacional para obtenção do ejiao, substância gelatinosa usada sem comprovação científica para fins medicinais. Animais ferais são capturados na natureza, e os domesticados são recolhidos das ruas ou comprados de particulares, sem nenhum critério de preservação da espécie.

3) VIOLAÇÃO DE DIREITOS ANIMAIS. O comércio internacional de pele de jumento envolve o transporte irregular e o confinamento dos animais por vários dias, com privação de água, comida e cuidados veterinários, e o abate ocorre sem observância de critérios humanitários estabelecidos pela legislação brasileira. Durante esse processo, há o registro de abate de animais doentes, filhotes e fêmeas prenhas.

Quais as soluções possíveis?

1) IMEDIATAMENTE: Suspender o abate de jumentos em todo o país imediatamente, para evitar a extinção da espécie, evitar novas doenças e o comprometimento da imagem do agronegócio. É fundamental proibir o abate de jumentos em todo o Brasil, ou simplesmente a atividade vai migrar de um Estado para outro. Também é preciso suspender imediatamente a captura de jumentos ferais. Há estudos científicos que evidenciam que esses animais soltos na natureza se ajustam aos ecossistemas locais, e outras pesquisas indicam o potencial de restauração dos solos onde os jumentos passam a viver.

2) CURTO PRAZO (4 a 12 meses): Estabelecer um programa de incentivo fiscal para quem tutela jumentos, por seu patrimônio genético. Estabelecer parcerias internacionais, onde por exemplo há possibilidade de financiamento britânico para pesquisadores brasileiros, para entender o papel ecológico do jumento. Promover o jumento como embaixador de estudo de PhD da USP, sobre tecnologia que evita acidentes envolvendo animais em rodovias.

3) MÉDIO PRAZO (6 a 24 meses): Investimento na agricultura celular, para produção do ejiao sem morte de animais. Há pesquisadores brasileiros e internacionais trabalhando com essas frentes de pesquisa, inclusive com vistas a produção de carne animal, sem morte. Cada animal rende 1,2 quilo de gelatina, vendida a cerca de US$ 800 e US$ 1 mil por quilo. Com a agricultura celular, o Brasil pode se tornar pioneiro em abastecer uma demanda internacional estimada entre 5 a 10 milhões de peles por ano, fomentando negócios inovadores, gerando postos de trabalho e arrecadação para o Estado, além de preservar a vida e a continuidade de uma espécie tão emblemática para o país.

Fonte: anda.jor.br

Programa Mundo Animal ano XXII na rádio Mares do Sul FM 87,9 de Marechal Deodoro Alagoas  das oito as nove aos sábados.( está no aplicativo rádios net  e no www.mundoanimalmaceio.com.br)

NÃO COMPRE…….ADOTE… NÃO SE COMPRA UM AMIGO.

Colaboradores do  programa Mundo Animal ano XXII :

Vereador por Marechal Deodoro  ANDRÉ BOCÃO – gente da gente –  

Consultório veterinário dr Marcelo Lins   99981 5415

@defesaanimalemacao ( 82 –  98778 0221 )

Comissão do Bem Estar Animal da OAB Alagoas– presidente dra Rosana Jambo

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui