Início NOTÍCIAS Cachorro vive há quase 10 anos em cemitério onde tutora foi sepultada...

Cachorro vive há quase 10 anos em cemitério onde tutora foi sepultada Por Mariana Dandara – 29 de agosto de 2019

251
0

Um cachorro vive há quase 10 anos no Cemitério da Saudade, em Taboão da Serra (SP). O motivo que levou o animal a morar no local é comovente: a saudade. No cemitério, está o túmulo onde sua tutora foi sepultada. O amor incondicional do cão fez com que ele se mantivesse perto de sua melhor amiga até mesmo após a morte.

Clicar sobre a imagem para editar ou atualizar.

Remover imagem destacada

Foto: Sandra Pereira

Devido às circunstâncias, o cachorro acabou sendo adotado pelos funcionários do local, que cuidam dele. Bob Coveiro, como passou a ser chamado, passa os dias acompanhando enterros e sua história foi parar no livro “O bem e o mal em dois pulos”, escrito por Joselito Silva, funcionário do cemitério. Bob também ganhou uma página no Facebook em sua homenagem.

“Ele veio no enterro da tutora e nunca mais foi embora. Ele vai em todos os sepultamentos, acompanha, volta e espera o próximo sepultamento. Ele sobe os morros até as covas seguindo o cortejo. Tem momentos que ele vai na frente. Quando a tutora dele morreu e ele começou a morar aqui, o restante da família dela tentou levar ele embora, mas ele não se acostumou mais na casa e acabou vindo viver aqui no cemitério”, conta Joselito Silva ao portal Jornal na Net.

“Ele sabe que aqui é um lugar de despedida e mostra respeito por isso. Acho que até hoje ele lembra da tutora e por isso acompanha os sepultamentos, o preparo dos corpos, exumação e tudo”, relata outro funcionário.

No cemitério, Bob ganhou casa, um pequeno jardim e alimentação. Boca, um dos coveiros mais antigos do local, é um dos funcionários que mais gosta do cachorro.

“A gente cuida dele. Alimenta, manda para a pet shop e compra as bolinhas que ele gosta de usar para brincar. Nós pedimos doações das pessoas porque nem sempre temos dinheiro”, conta um funcionário.

“O Bob aqui tem livre acesso. Ele alegra nossos dias. É um bom amigo”, conta Maria Neves Viera, a Neuzinha, diretora do Cemitério.

Fonte: anda,jor.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui