Início DESTAQUES Cadela é atropelada propositalmente na Ilha do Governador, RJ

Cadela é atropelada propositalmente na Ilha do Governador, RJ

161
0

O atropelamento aconteceu no bairro Tijolinho, na Ilha do Governador, zona norte do Rio. O vídeo com as imagens do momento em que o carro passa por cima do animal, rapidamente viralizou na internet.

Na tarde de segunda-feira (25/01), protetores independentes de animais foram até a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), e denunciaram o crime. Estiveram na delegacia as protetoras: Newa Carvalho, que está cuidando da cadela em casa, e Cristina Cruz, Presidente do projeto Anjos de 4 Patas.

A polícia já iniciou as investigações, câmeras de segurança de outros locais vão ser solicitadas, bem como depoimento de testemunhas.

Após o atropelamento a pessoa que conduzia o carro, não parou para prestar socorro. O comissário de bordo e piloto privado, Ricardo Zeller, foi quem passou no dia seguinte e ao ver a cadela chorando de dor, pediu ajuda da amiga e protetora, Newa e a levaram para uma clinica onde foi medicada.

A cadela foi carinhosamente batizada como Olívia, e ainda está passando por vários exames. O quadro dela é estável, mas inspira cuidados.

“Eu não consegui passar e deixar aquele animal ali morrendo de dor. Liguei pra essa minha amiga protetora que orientou e ajudou no que fazer. Não medimos esforços para leva-la o mais rápido possível para a veterinária onde teve o atendimento que necessitava. Com certeza vamos fazer de tudo para que Olívia se recupere o mais rápido possível,” disse Ricardo.

New Carvalho é protetora independe e atualmente cuida de pelo menos 30 cães abandonados.

“É impossível a gente virar as costas para esses animais que são tão violentados. Nos primeiros dias fiquei muito preocupada com a Olívia, achei que ela não fosse resistir, mas graças a Deus ela sobreviveu. Agora estamos realizando os exames necessários, porque possivelmente ela precisará passar por três cirurgias: das fraturas por causa do atropelamento, um câncer de mama que foi descoberto, além da castração”, explicou a protetora.

Até o momento parte do tratamento está sendo custeado por ajuda de pessoas que estão se solidarizando através das redes sociais.

“Nosso projeto sempre atuou em parceria com a protetora Newa, que também nos ajuda muito. Se não fosse ela e o Ricardo, certamente a Olívia não teria sobrevivido. Todas as doações que recebemos já foram repassadas para o tratamento, e quem quiser ajudar, basta entra no perfil @anjos.de4patas. Com certeza com a corrente do bem que está se formando vamos salvar a vida dela. Nossa preocupação além da saúde da Olivia, é que a polícia consiga descobrir o quanto antes quem cometeu esse crime bárbaro,” relatou Cristina Cruz.

Por Quintino Gomes Freire 

Fonte e foto: Diário do Rio

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui