Início DESTAQUES Tempestade Filomena deixa animais de abrigo sem comida por dias

Tempestade Filomena deixa animais de abrigo sem comida por dias

163
0

Giovanna Rodrigues | Redação ANDA

Foto: Reprodução | El País

Associações e grupos de proteção animal de Madri lutam contra a neve e o gelo para resgatar e cuidar de milhares de animais presos e ameaçados pelo frio extremo que atingiu a capital esta semana. Colônias de gatos desacompanhados, abrigos com deslizamentos de terra letais ou pássaros famintos. Os animais também sofrem os efeitos da tempestade Filomena, e as administrações, diante do caos gerado, reconhecem que ainda têm outras prioridades.

Os voluntários que cuidam de colônias de gatos não conseguiram acessar algumas áreas, embora o órgão responsável pela proteção animal em Madrid Salud assegure que lhes foi concedida permissão. Enquanto isso, nos abrigos de animais domésticos e silvestres eles trabalharam incansavelmente durante dias para limpar a neve e lidar com os danos estruturais causados pela tempestade, além de garantir que as centenas de animais fiquem abrigadas e com alimentos.

Belén Muñoz é diretora do Colégio Pío XII, em Tetuán, mas atualmente essa não é sua única preocupação. Enquanto tenta administrar as aulas online desta semana, ela luta, junto a outros voluntários, para conseguir acessar o cemitério da Almudena e alimentar os gatos da colônia de felinos que vive ali e que, agora, estão presos pela neve. Entre os túmulos do maior cemitério da Espanha vivem cerca de 400 felinos, atendidos exclusivamente por eles, que se encarregam de cuidar, resgatar, esterilizar e soltá-los ou colocá-los para adoção.

Normalmente os voluntários entram no cemitério durante o horário de visitas autorizado e fazem seu trabalho com o consentimento dos vigilantes, mas sem qualquer coordenação por níveis superiores da Administração. Mas agora o cemitério está fechado e, embora Muñoz entenda que as pessoas devem ser uma prioridade, ele lamenta a falta de atenção dada aos animais. “Não pretendemos colocar ninguém em risco, tudo o que queremos é que possa ser aberto para que possamos deixar comida para os gatos. Só conseguimos ir até a cerca, mas os gatos estão presos onde costumam se refugiar. Muitos já podem ter morrido de frio e fome”, lamenta.

A Câmara Municipal da capital, através de Madrid Salud, se encarrega da proteção dos animais e reconhece ter recebido pedidos dos grupos que alimentam as colônias de gatos nos parques de El Retiro e Juan Carlos I, além do cemitério de La Almudena, embora assegure que não é da sua competência, mas dos responsáveis de cada espaço. “Apesar disso, pelo Meio Ambiente, que administra os parques, vai dar ordem para que os alimentos que trouxerem fiquem na entrada para serem distribuídos pelos serviços de segurança dos parques, como foi feito durante o confinamento da primeira onda da pandemia. Já a empresa funerária municipal, que administra o cemitério de La Almudena, está considerando facilitar esse acesso apenas nas partes do cemitério que não representem risco para a segurança das pessoas e sob sua responsabilidade”, afirmam fontes da Câmara Municipal.

No entanto, até agora, mais de 72 horas depois de começar a nevar, os voluntários que alimentam regularmente as centenas de gatos só conseguiram deixar a comida do lado de fora, na esperança de que os gatos pudessem chegar à comida sozinhos.

Os abrigos de animais resgatados também sofreram com a queda de neve histórica. Fran Díaz, presidente do Animal Rescue Spain (ARE), afirma que, embora na expectativa da neve eles tivessem se abastecido com abrigo e comida em seu centro nos arredores de Madrid, a realidade superou a preparação. “Felizmente todos os animais que precisam de abrigo têm abrigo e também há comida suficiente. Temos também duas pessoas que moram no abrigo e outras duas que vieram passear em dias de neve para limpar algumas áreas abertas para que os cães possam se locomover”, explica. Mesmo assim, os telhados de alguns galpões foram quebrados, além de muitas árvores caídas nas instalações, para as quais estão pedindo doações para poderem resolver esses problemas o mais rápido possível; por enquanto, eles estão fazendo o que podem.

No abrigo da Sociedade de Proteção de Animais e Plantas de Madrid, onde vivem até 350 animais, entre cães e gatos, a situação é mais precária e a ajuda das equipes de resgate é fundamental. Arantxa Sanz conta com voz agitada que a neve fez desabar o telhado da zona onde estão os gatos e que o acesso ao edifício ainda é muito limitado. “O veterinário teve de entrar sozinho na neve para transferir os gatos para outro galpão, mas não podemos levar comida porque a entrada está bloqueada. Falei com a Polícia, com a Guarda Civil, com a Câmara Municipal, e o melhor que consegui foi a ajuda de alguns agentes florestais para desobstruir”. Além disso, vários cães passaram a tempestade em baias abertas e, embora agora estejam seguros e dentro de casa, não há como conseguir abrigo ou alimentação nas quantidades necessárias.

Nas instalações do Grupo de Reabilitação da Fauna Nativa e do seu Habitat (GREFA) no Monte del Pilar de Majadahonda, a tempestade Filomena causou graves danos que fizeram com que vários dos animais que possuíam tenham fugido e neste momento alguns estejam desaparecidos. Um grupo de 50 voluntários e trabalhadores do centro se aproximou no último domingo para limpar trilhas e estradas, remover detritos de árvores caídas, remover neve e cuidar dos animais. Até o momento, ainda não foi possível fazer uma avaliação precisa dos danos, embora se possa dizer que a área mais afetada tem sido o centro de criação de espécies ameaçadas e um número significativo de áreas de educação ambiental. As tarefas de restauração serão importantes, para as quais o GREFA iniciará uma campanha de crowdfunding e lembra que seus canais habituais de doação estão abertos.

Nem todas as ações estão nas mãos de ativistas ou voluntários. Os animais silvestres mais comuns da cidade, pássaros como pardais, melros ou tentilhões, também correm risco muito alto, alerta a ONG SEOBirdlife, que pediu a colaboração dos cidadãos para depositar migalhas de pão, pedaços de fruta, grãos tipo alpiste ou qualquer alimento para eles em varandas, terraços ou jardins. “Estamos vendo muitas mortes de pássaros, principalmente urbanos, devido à fome. Essas aves devem manter sua temperatura corporal durante longas noites e despender muita energia para isso. Portanto, nas poucas horas de luz eles devem consumir muita comida, mas como a vegetação e o solo estão cobertos de neve, eles não têm acesso aos alimentos”, explica Luis Martínez, especialista em ornitologia da SEOBirdlife. “Se não os ajudarmos, é muito provável que morram literalmente de frio”, diz ele.

Fonte: anda.jor.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui