Início NOTÍCIAS Cão rejeitado por família é adotado por centro de saúde mental e...

Cão rejeitado por família é adotado por centro de saúde mental e ganha crachá de funcionário

44
0

Mariana Dandara | Redação ANDA

O cachorrinho Assis, de apenas 7 meses de idade, conheceu o lado bom e ruim do ser humano. Resgatado pela ONG Ampara, situada no município paulista de Guararema, o cachorro foi adotado e, um mês depois, devolvido à entidade. A adotante justificou o ato dizendo que sua filha queria uma fêmea. Por ser macho, Assis não coube na sua antiga família, mas encontrou espaço na unidade do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) da cidade, onde passou a viver.

Com o novo lar, veio também um novo nome, com direito à apelido. Assistente, como começou a ser chamado no CAPS, é carinhosamente conhecido como Assis. Na unidade de saúde mental, ele ganhou cuidados, carinho e até mesmo um crachá de funcionário que mostra o quão importante ele é para toda a equipe do local.

A entidade comemorou a adoção do cachorro em uma postagem no Instagram. “Pessoal, nosso Ursão foi adotado e virou o Assis! Agora ele faz parte da equipe do Centro de Atenção Psicossocial e tem auxiliado nos atendimentos com os pacientes brincando, fazendo carinho e ajudando no estabelecimento de vínculos, cuidado, afeto e responsabilidade”, escreveu.

Há pouco mais de um ano, a ideia de adotar um cachorro para viver no CAPS passou a ser cogitada na unidade de saúde. Os planos, entretanto, foram adiados com a chegada da pandemia de coronavírus. Mas foi só aparecer uma publicação nas redes sociais com a história de Assis, que até então se chamava Ursão, para a adoção voltar a se tornar uma realidade possível.

Assessora de saúde mental e coordenadora do CAPS, Jéssica Falco foi quem viu a publicação feita pela ONG que resgatou o cachorro que, mais tarde, veio a se tornar companheiro dos funcionários e pacientes da unidade. Logo após se deparar com a postagem, a servidora pública entrou em contato com a entidade e formalizou a adoção.

“Está sendo bem agradável. Traz uma nova rotina para o serviço. A gente teve que adaptar algumas coisas aqui, teve que organizar a questão do portão para ficar atento, não deixar ele fugir. Ele é filhote, então é muito agitado. Ou ele dorme muito, ou está muito agitado. São as duas personalidades dele”, contou Jéssica ao G1.

“Fizemos algumas adaptações, mas ele fica solto aqui. Todo mundo fica de olho nele, ele fica onde ele quer. Se ele começar a destruir alguma coisa, a gente vai e organiza para não destruir mais, porque ele tem esse instinto por ser filhote. Mas ele fica solto, participa de reunião, participa de grupos. Tudo que ele ficar quietinho e der para participar, ele participa”, acrescentou.

“Um novo lar que cuide de verdade dele, dê amor e carinho”

Após a antiga família de Assis decidir devolvê-lo à entidade, a Ampara fez uma publicação nas redes sociais dizendo que os voluntários da ONG estavam “incrédulos com a devolução do nosso ursinho” e informando que o cão estava “prontíssimo para encontrar um novo lar que cuide de verdade dele, dê amor e carinho que merece”.

“Apenas um mês depois, o adotante decidiu que queria uma fêmea no lugar do macho. Enfim, este peludinho já está de volta conosco”, escreveu a entidade.

Responsável pela Ampara, Iara Rodrigues dos Santos contou ao G1 que a situação de devolução vivida pelo cão após a adoção, infelizmente, não é incomum. “Ele veio, nós vermifugamos, vacinamos. Quando ele estava na primeira dose da vacina, uma pessoa quis um cachorrinho para a filha, peludinho. Eu doei o cachorro e voltei para dar o resto das vacinas. Mas, quando eu voltava, eu não ficava feliz com o que eu via. Não estavam dando ração de qualidade, ele não estava tão bem cuidado”, relatou.

“Quando fui dar a última dose da vacina, eu conversei com a mulher, que disse que estava tudo bem. Logo em seguida, ela me mandou uma mensagem dizendo que a filha não gostava muito dele, que queria trocar por uma fêmea. Era tudo que eu precisava. Busquei ele, muito brava, mas trouxe para cá”, completou.

Com o retorno do cão à entidade, a filha de Iara ficou decepcionada com o desfecho da história e a divulgou nas redes sociais através da publicação que chegou ao conhecimento da coordenadora do CAPS, que decidiu mudar o destino de Assis. Essa transformação causada pela adoção também beneficiou a mãe do cachorro e uma irmã dele. Outros três irmãos do cão ainda aguardam um novo lar.

“Minha filha, que mexe no Instagram, soltou um post sobre ele. Como ele sempre foi muito fofo, muito bonachão, peludão, nada a ver com a mãe, com os irmãos… Foi quando a Jéssica viu. Em seguida eu castrei e ela adotou ele”, contou Iara. “Agora ele está lá, todo pimpão de crachá. Ele é muito querido. Eu falo que até emprego ele arrumou nessa pandemia”, brincou.

Mais de 100 animais em busca de uma família

Cerca de 140 animais resgatados pelos voluntários da ONG Ampara aguardam um lar em Guararema. Dentre os abrigados, há cachorros e gatos que viveram situações de abandono e maus-tratos.

Há 18 anos, a entidade foi fundada na cidade. Nesse período, mais de 2 mil animais foram resgatados, castrados e doados. O trabalho realizado pela ONG tem apoio da prefeitura, mas a verba destinada pela administração municipal não é suficiente para cobrir os gastos mensais e, por isso, bazares e sorteios são realizados. A associação também recebe doações de pessoas interessadas em colaborar com a causa.

“Estamos na luta, fazendo o que dá. Temos as pessoas que apadrinham mensalmente e assim a gente vive. Como toda ONG que se houve, é uma luta só, mas graças a Deus estamos de pé e a gente corre atrás”, concluiu Iara.

(Foto: Reprodução/Instagram/Ampara Guararema)

Fonte: anda.jor.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui