Início NOTÍCIAS Mulher mata galinha ao espetá-la em haste de portão após discussão com...

Mulher mata galinha ao espetá-la em haste de portão após discussão com vizinha

72
0

Mariana Dandara | Redação ANDA

A tutora de uma galinha espetou a ave na haste do portão de sua vizinha, em Campo Grande (MS), após uma desavença. O animal agonizou até a morte. Moradoras do bairro Piratininga, as mulheres teriam discutido após a cadela de uma delas morder a galinha da outra.

Ao relembrar o caso, a tutora da cadela afirmou que “foi uma cena horrorosa”. “Minha filha de 10 anos ficou horrorizada com essa cena”, afirmou a autônoma de 48 anos, que preferiu não ser identificada, em entrevista ao portal Campo Grande News.

Moradora do bairro há 40 anos, ela afirma já ter vivido outros atritos com a tutora da galinha por conta de um muro que separa as casas. Segundo ela, as raízes de uma árvore plantada no terreno da vizinha invadiu seu quintal, fazendo o muro quebrar. Como não houve acordo para o muro ser reparado, a autônoma usou tijolos e tábuas para impedir que seus cães passassem para o outro terreno.

As barreiras, entretanto, foram ultrapassadas pela cadela Nina, que acabou mordendo, de maneira instintiva, a galinha. Aos gritos, ainda segundo relato da autônoma, a vizinha teria pego a ave e espetado-a no portão.

“Gritou com minha mãe, que tem 72 anos, falava que queria R$ 30 pela galinha e que não ia fechar buraco nenhum porque não foi ela quem abriu”, contou. “Não tinha problema em pagar pela galinha, mas ela poderia ter vindo conversar, mas desrespeitou minha mãe, fez escândalo”, completou.

No meio desse caos, a tutora da galinha entrou em um carro e deixou o local. A ave, por sua vez, ficou agonizando presa à grade do portão, sem receber socorro.

Chocada com a atitude da vizinha, a autônoma acionou a Polícia Militar, que a orientou a registrar um boletim de ocorrência por injúria. Em seguida, ela retirou a ave do portão, colocou em um saco plástico e deixou na lixeira.

(Foto: Henrique Kawaminami)

Fonte: anda.jor.br

Nota da Redaçãoa ANDA lamenta profundamente o crime de maus-tratos praticado contra a ave, que deveria ter recebido atendimento veterinário logo após ser mordida pela cadela – que agiu de maneira instintiva, sem qualquer maldade em seu ato. O fato da galinha não ter sido socorrida após ser mordida já configura negligência, mas a situação fica pior quando a ave, já ferida, passa por sofrimento ainda maior ao ser empalada viva. O caso também acende um alerta sobre a falta de preparo da Polícia Militar, que deveria ter socorrido a galinha e agido para que o caso fosse registrado na delegacia como crime de maus-tratos ao invés de apenas orientar a tutora da cadela a registrar um boletim de ocorrência por injúria.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui